quinta-feira, 19 de março de 2009

Música de terça

Menos de um terço da igreja participa dos cultos de terça-feira: culto de oração. Culto para poucos, embora o imperativo da oração seja para todos. Por conta de meu envolvimento com o curso de jornalismo, nos últimos dois anos pelo menos, fui um membro de final de semana. Só aos sábados, na rede de jovens e aos domingos, no tradicional culto da família. E, em alguns momentos, nem isso. A falta de orar em comunidade enfraqueceu a espiritualidade. Sabia disso e sentia falta de “orar na igreja”. Este ano me reencontrei com a terça. Eu mudei bastante. Ela continua a mesma. Tranquila, formal, rejeitada, mínima, indiferente à indiferença dos outros, aberta, solidária. Foi como encontrar um fragmento perdido da velha igrejinha de outrora: pequena, aconchegante, compromissada, próxima, engajada. Um encontro com seus freqüentadores costumeiros, pessoas que nem vemos ou cumprimentamos direito aos domingos. E também um encontro de renovação com a necessidade de orar. Uns pelos outros. E sem cessar.

O principal encontro, no entanto, foi com a música presente nas terças. É uma música despretensiosa, simples, pura, sem estrelismos, que se apóia unicamente na força do repertório de canções clássicas. É começar a cantar e logo já se abre o túnel do tempo nos levando para alguma época onde ouvimos aquela música pela primeira vez. Em tempos onde o “entra na minha casa” é repetitivo antes mesmo de terminar o refrão, um “vem espírito de Deus”, com letra de uma frase só, soa bem aos ouvidos e parece subir com facilidade aos céus. É leve, é natural, sem a pretensão de ser hit. E exatamente por isso virou clássico. No playlist de terça ainda aparecem alguns fósseis como “Eu navegarei no oceano do Espírito”, “Espírito enche a minha vida”, “Os que confiam no Senhor são como os montes de Sião”, “Quero que valorize o que você tem”, “Eu quero voltar ao primeiro amor”, “Renova-me Senhor Jesus”, entre outros. Ministrar nas terças-feiras é praticamente um trabalho de arqueologia. Essas músicas, assim como os sambaquis, nos faz aprender sobre nós mesmos e nossas origens. O que não entendo muito bem é a projeção de letras pelo datashow nas músicas de terça. É dispensável. Mas certamente o irmão iniciante na igreja se anima em saber que está aprendendo uma música “nova”. Talvez não seria de bom tom alertá-lo da flagrante ilusão. Que ele seja feliz assim!

Mas não só de clássicos vivem as terças. Volta e meia o ministrante solta um sucesso domingueiro, dando um ar mais jovial ao culto. Uma música, porém, que foge aos “clássicos de terça” rapidamente é vista com preconceito. Ela parece fora do lugar, desconfortável, intrusa. Não é bem-vinda. A terça sempre pede a trilha sonora de nossa conversão. Escutar essa trilha é como nascer de novo, pela segunda vez. E a cada vez que estivermos presentes num culto de terça-feira. Um dos meus clássicos favoritos, no entanto, que compõem a fina seleção das primeiras músicas ouvidas na igreja, há tempos não aparece: “Quando eu cheguei aqui o meu Senhor já estava”, composição de Anderlindo José, gravada por J. Neto em 1991. Essa canção era sempre a primeira a ser cantada, geralmente às terças e sextas. Se tornou uma espécie de “hino de abertura” dos cultos. Se ninguém se der pela falta dela no repertório, vou ter que pedir.

Sou saudosista sim, admito. Nostálgico não. Nostalgia tem algo de doentio, de prisão ao passado, de vida pelo retrovisor. Ter saudades faz bem. A vida ganha uma linha histórica, um contexto de experiências. E o passar do tempo faz sentido. Gosto de gostar do antigo, sem perder de foco as novidades. É sempre bom preservarmos as boas referências. E as minhas melhores foram construídas nos cultos de terça. Minha conversão, o batismo no Espírito Santo, os primeiros aprendizados da Palavra. Ao som, é claro, da reflexiva “Eu quero ser Senhor amado, como um vaso nas mãos do oleiro” ou da agitadinha “Ele é o Leão da tribo de Judá”, ou algo bem próximo disso.

Enquanto isso, lá em Pato Branco:

1 Comentário:

Juva Jr. disse...

Muito bem, Jb!

Obs.: "Quando eu cheguei aqui meu Senhor já estava" é música de quem chega atrasado no culto...

kkkkk

Related Posts with Thumbnails
Creative Commons License
O blog Amplificador, de [jb] João Batista, está sob uma licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Brasil License.
Based on a work at Blog Amplificador.
Permitida a reprodução, total ou parcial, desde que citada a fonte e o autor, exceto para uso com fins comerciais.

Amplificador © 2008. Template by Dicas Blogger.

TOPO